RSS

Campinas quer (com razão!) limpar a cozinha, mas esquece dos outros cômodos da casa

18 ago

Poderia abrir esta atualização do blog com as análises de Ney Franco e Mano Menezes. No entanto, a política abre passagem. Especialmente aquela vivida na cidade de Campinas, local em que nasci e que foi palco de encontros que estabeleceram meus pilares éticos e de solidariedade. O atual prefeito Hélio de Oliveira Santos, pode ser cassado. Desde as 09h da manhã de quinta-feira, o relatório é lido no plenário da câmara e a tendência é que votação ocorra no final de semana.

Antes de continuar um adendo: particularmente, penso que o prefeito deve ser cassado, especialmente por causa das provas exibidas pelo Ministério Público. Que seja cassado e receba todo o direito de defesa na Justiça. Agora, alguns pontos merecem reforço e analise.

Em primeiro lugar, a saída de Hélio do Palácio dos Jequitibás não quer dizer que os outros partidos de oposição (leia-se PSDB e PPS) são os vestais e os puros de ocasião. E nem que o PT ou o PDT sejam demônios de ocasião.

O problema central está em nosso sistema politico, especialista em distorcer personalidades em troca de dinheiro, poder e favores. Hélio pode sair, o melhor candidato tucano´, do PSB ou do PPS poderá entrar em janeiro de 2013 e as ocorrências voltarão a acontecer. Porque a rotina é essa. O sistema é viciado. E corrompe. Enquanto não surgir um forte vento de mudança.

Também não podemos esquecer do papel da  imprensa. Quem sou eu para julgar se o trabalho é bom ou ruim de determinado veiculo. Cada um conduz a cobertura segundo seus critérios e ideologia. Um direito justo e intransferível. Mas penso que aos poucos, nós, jornalistas, perdemos  crédito junto a população. Temos pulmão e força para apontar o dedo sobre os corruptos, mas não encaminhamos uma (repito: uma!) só proposta de reformulação do sistema político. Reclamamos de Tonhão da Rapadura, Zé do Gelo, mas dificilmente mostramos personalidades da sociedade civil que podem substituir essas figuras e que exibem potencial para fazer a diferença.

Exemplo claro: em uma cidade em que temos a Unicamp e a Puc-Campinas, duas universidades de excelência, o que falta para a realização de seminários, painéis e debates com jornalistas e intelectuais para discutirmos sobre os rumos da politica? Metemos o pau (com toda a razão) nos políticos, mas queremos apenas assistir as suas mortes. Nada de propor um remédio reparador. Seja por um motivo ou outro, a democracia impõe defeitos. Nossa tarefa é participar e cavar saídas. Porque não existe ditadura benéfica.

Para terminar, a população de Campinas também precisa refletir. Já vivemos uma espécie de apartheid social camuflado e silencioso. Bairros de classe média e alta tem poder econômico suficiente para ditar pautas, assuntos e tendências. Mesmo que isso custe esquecer a casa sem esgoto, a senhora sem atendimento médico ou o bairro sem transporte coletivo decente.

Dizem que Hélio, mesmo que seja cassado, ainda terá voz porque a periferia ainda lhe presta apoio. Dizer que tal fato ocorre porque o contingente que reside ali é massa de manobra é algo muito pueril. Elas ligam e ouvem o atual prefeito, porque bem ou mal é um dos únicos que estica os ouvidos.

Resumo da ópera: não adianta defendermos um moralismo e uma ética individual, se coletivamos milhares de pessoas padecem por necessidades básicas.

O topo pode e deve mudar. Mas se Campinas não fizer uma reflexão dos seus próprios erros, outras leituras de relatório acontecerão na Câmara Municipal.

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em 18 de agosto de 2011 em Uncategorized

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: