RSS

Ponte Preta e Guarani: empates com consequências diferentes

10 set

Ponte Preta e Guarani empataram seus jogos de sexta-feira na Série B do Campeonato Brasileiro. Resultados que á primeira vista podem ser considerados frustrantes, especialmente porque estamos falando de um campeonato cuja vitória vale três pontos. Porém, é preciso tomar cuidado e fazer uma leitura apurada antes de qualquer conclusão.

A Macaca sabia que teria uma parada dura diante do Icasa. Gramado em péssimo estado, força física do oponente e o risco de ser vitima de erros da arbitragem eram ingredientes previstos no cardápio. Quando a bola rolou, o time mostrou melhor condição técnica, fez um 1 a 0 com Josimar e poderia ampliar se não fosse o vacilo de Tiago Luís na conclusão. Tomou o empate no último minuto. É inevitável o gosto amargo na boca. Mas por outro lado é preciso ser pragmático. A Ponte Preta empatou fora de casa e continua com um dos melhores aproveitamentos como visitante. Pode perder a vice-liderança? Talvez isso nem preocupe e sim qual será a distancia para o quinto colocado ao final da rodada. Isso é o vital e fundamental. Repito: a Macaca não precisa jogar bonito ou ser campeã. Ela precisa subir. Isso que interessa…

No Guarani, o roteiro é diferente. Não passou de um empate por 0 a 0 com o Vitória (BA), mas o torcedor ficou com a nítida sensação de que o gol poderia sair a qualquer momento. Uma defesa desajustada e um meio-campo sem criatividade deram espaço para o rubro-negro baiano especialmente com o ala Nino Paraíba e com os atacantes Marquinhos e Neto Baiano. Sem contar a liberdade de Lúcio Flávio. Credite-se o empate a limitação tática de Vagner Benazzi, que definiu uma receita até o final e não saiu dela.

Quanto ao alviverde, o empate é uma cortina de fumaça. O time continua limitado, confuso, sem jogadas ensaiadas e Giba mostra indefinição, erro fatal para qualquer treinador. Exemplo prático: no segundo tempo, tirou o armador Felipe e colocou Aislan para fortalecer a zaga e voltar ao 3-5-2. Com isso, amenizou os ataques do Vitória. Fica a indagação: porque precisou esperar tantos minutos para chegar a conclusão que o esquema anteriormente descartado ainda servia? Sinceramente, existem, no mínimo, cinco  equipes inferiores tecnicamente em relação ao Guarani. A saber: Duque de Caxias, Salgueiro, Vila Nova, Boa Esporte e até o Icasa (CE). Mas os erros de conduta são tantos que a terceira divisão é uma realidade cada vez mais próxima.

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em 10 de setembro de 2011 em Uncategorized

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: